A nossa alma tem muitas gavetas: “a gaveta da alegria e a gaveta da tristeza, a gaveta da inveja e a gaveta da esperança, a gaveta da desilusão e a gaveta do desespero, a gaveta da paciência e a gaveta do desassossego, e mais a gaveta do ódio, a gaveta da cólera e a gaveta do mimo, a gaveta da preguiça e a gaveta do vazio e a gaveta dos segredos mais escondidos. Uma gaveta que quase nunca abrimos. E há mais gavetas.”
Hoje, dia 28 de fevereiro de 2019, fizemos uma atividade diferente, nós e todos os nossos colegas do 5º ano. Sim, porque esta atividade impressionou-nos mesmo. A atividade começou na Biblioteca com a leitura do livro “O pássaro da alma” de Michal Snunit pela professora Ângela. Fomos sentindo várias emoções, alegria, curiosidade, entusiasmo, de acordo com as gavetas que constituem o pássaro da alma.
Explorámos a gaveta do vazio, a gaveta da liberdade, a gaveta da humildade, da coragem, do humor, do arrependimento, da honestidade, da fragilidade, do medo, da preguiça, da raiva e a gaveta dos segredos. E, mais tarde, analisámos a gaveta do controlo, porque “Às vezes uma pessoa pode escolher e indicar ao pássaro as chaves a rodar e a gaveta a abrir. E outras vezes é o pássaro quem decide. Por exemplo: a pessoa quer estar calada e diz ao pássaro para abrir a gaveta do silêncio. Mas ele, por autorrecriação, abre-lhe a gaveta da fala, e ela desata a falar, a falar sem querer.” Alguns de nós partilhámos o que gostávamos de controlar, outros segredámos desejos… Percebemos que muitas vezes é o pássaro da alma que manda em nós, mas nós é que devíamos mandar nele.
Descobrimos em conjunto outras gavetas…e até fizemos uma lista…
Depois, em grupos de quatro, com o telemóvel, uma caneta e uma folha para apontar as respostas, realizámos um jogo de pistas sobre a obra, lendo os códigos, através da aplicação QR CODE. Andámos, ou melhor, corremos por toda a escola e fomos abrindo as gavetas da partilha, da memorização, do entusiasmo, da emoção, do desespero por querermos ganhar, do controlo quando alguns funcionários nos chamaram a atenção por estarmos demasiado entusiasmados.
Quando chegámos à Biblioteca, implorámos às professoras para fazermos mais atividades destas, porque aprendemos melhor quando estamos envolvidos, entusiasmados…

5ºA, 5ºB, Ana Cotovio, Ângela Varela, Cristina Simões